Vereadores reiteram cobranças por estratégia contra superlotação em ônibus circulares

- Assessoria de Imprensa

Com apenas 62% da frota em circulação, empresas alegam prejuízo de R$ 7,5 mi desde o início da pandemia; Emdurb vai apresentar proposta de subsídio público ao serviço

Em reunião promovida pela Comissão de Transportes nesta quarta-feira (15/07), o presidente Mané Losila (MDB) reiterou a cobrança de que seja apresentado e colocado em prática, por parte da administração, plano estratégico para sanar impasses que têm resultado na superlotação dos ônibus circulares de Bauru.

Seu entendimento, reiterado pelos demais parlamentares que participaram do encontro, é de que o serviço deve ser prestado com protocolos de higiene e distanciamento, a fim de minimizar riscos de transmissão do novo coronavírus aos usuários, mas também considerando o equilíbrio econômico-financeiro previsto nos contratos de concessão.

As duas empresas que operam o transporte coletivo urbano protocolaram documento na Câmara Municipal, alegando que, desde o início da pandemia até o fim de junho, acumulam prejuízos de R$ 7,5 milhões, mesmo com a circulação de apenas 62% da frota.

Entre os pontos críticos apresentados pelas concessionárias, está a decisão judicial que determinou o afastamento do trabalho de 72 funcionários em grupo de risco da COVID-19, dos quais 62 são motoristas.

As empresas também aderiram à Medida Provisória da União que permitiu reduções de jornadas e salários de trabalhadores celetistas.

Ainda assim, a queda a 38% do número de passageiros não teria garantido o equilíbrio das contas.

Em reunião realizada no dia 2 de junho, vereadores já haviam sinalizado abertura para análise de eventual proposta de subsídio público ao serviço de transporte coletivo, a fim de combater as superlotações nos ônibus.

Presidente da Emdurb, Elizeu Eclair afirmou que, até o fim desta semana, o órgão conclui análise de planilhas e avaliações apresentadas pelas empresas para que o governo municipal discuta proposta nesse sentido.

O vereador Coronel Meira (PSL) enfatizou a necessidade de que as planilhas de custo das concessionárias sejam apresentadas com detalhamento para tal avaliação.

Ele informou ainda que apresentará Projeto de Lei com o intuito de exigir que os ônibus do transporte urbano fiquem proibidos de circular com passageiros em pé.

Markinho Souza (PSDB) destacou o elevado número de reclamações recebidas pelos parlamentares e frisou que o Legislativo está aberto a dialogar sobre de que forma pode colaborar para a solução dos problemas enfrentados por usuários e empresas.

Presidente da Casa, José Roberto Segalla (DEM) observou o risco de que, com o prolongamento da crise, as concessionárias deixem de prestar o serviço de transporte público.

Mané Losila frisou ainda que a responsabilidade em definir as diretrizes de ações cabe à Prefeitura e à Emdurb; e que essas devem apontar para o equilíbrio, pautadas pelo objetivo de melhorar o que vem sendo oferecido à população desde o início da pandemia.

Também participaram da reunião os vereadores Sandro Bussola (PSD), Fábio Manfrinato (PP), Luiz Carlos Bastazini (PTB) e Yasmim Nascimento (PSDB).

Chefe de Gabinete do Poder Executivo, Majô Jandreice esteve no encontro e destacou ações pontuais que vêm sendo tomadas pela administração sobre o assunto.