Universidades e faculdades de Bauru querem conhecer as demandas da Administração

09/10/2018 - Instituições de Ensino Superior se reuniram com Comissão de Ciência e Tecnologia da Câmara para aproximar soluções inovadoras das necessidades do Poder Público

Encontro foi realizado no Plenário da Câmara de Bauru

  As demandas da Administração Pública mais próximas das soluções inovadoras das instituições de Ensino Superior de Bauru: foi com este objetivo que a Comissão de Ciência e Tecnologia da Câmara e os representantes das universidades e faculdades da cidade se reuniram nesta terça-feira (09/10), no Plenário Casa de Leis.

  O encontro foi agendado pela vereadora Chiara Ranieri (DEM), presidente do grupo parlamentar. Participaram também os vereadores José Roberto Segalla (DEM) e Telma Gobbi (SD).

  "Temos um capital humano privilegiado em nossas instituições, bem como uma grande variedade de cursos. É até difícil mensurar tantas possibilidades de parcerias que podem ser feitas", elogiou a vereadora.

  Unesp (Universidade Estadual Paulista), USP (Universidade de São Paulo), Fatec (Faculdade de Tecnologia) de Bauru, Unip (Universidade Paulista), FIB (Faculdades Integradas de Bauru), Uninove (Universidade Nove de Julho), Anhanguera e Universidade Brasil estiveram representadas no encontro – e foram unânimes em elogiar a aproximação entre academia e sociedade.

  "A proposta é encantadora. Na USP, temos como obrigação essa necessidade de se aproximar cada vez mais da sociedade", apontou o Prof. Dr. Carlos Ferreira dos Santos, diretor da Faculdade de Odontologia de Bauru (FOB/USP).

  "Vem ao encontro com a formação cidadã que oferecemos aos nossos alunos, além de uma interessante troca de experiências", opinou Leonel Capetti, coordenador de cursos da Universidade Brasil.

  "Está no DNA do nosso aluno o interesse em se aproximar e ajudar, de forma efetiva, a população de Bauru", concordou Alexandre Cruz Nicolas, coordenador de curso da Anhanguera.

Caminho inverso

  Contudo, todos também destacaram a importância de conhecer as reais demandas da Administração Municipal para que as instituições de Ensino Superior possam se organizar e trabalhar com foco e sem perda de tempo e energia.

  "Para que o trabalho de extensão seja consolidado, é importante que exista demanda. Essa interação com o Poder Público é fundamental para uma boa parceria", explicou o Prof. Adj. Marcelo Carbone Carneiro, diretor da Faac (Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação) da Unesp.

  "Como nossos alunos atuam diretamente na rede de saúde, ter contato com as demandas necessárias é fundamental para a universidade direcionar esforços e conhecimento", disse a Dra. Rafaelle Batistela Pires, coordenadora do curso de medicina da Uninove.

  "Esse caminho contrário, de a Prefeitura apontar o que precisa, nos permite planejar ações direcionadas não só para as pesquisas, mas também para capacitação dos servidores públicos. A Administração precisa entender que não é sinal de fragilidade, mas sim de respeito com a população", completou Carlos, da USP.

  Para a vereadora Telma Gobbi, essa somatória de forças só trará benefícios a Bauru. "Nossa cidade precisa ser repensada. Não podemos desperdiçar esse capital intelectual presente nas instituições de ensino", destaca.

Audiência Pública

  A fim de que as demandas da cidade sejam conhecidas, Chiara sugeriu a realização de audiências públicas segmentadas por secretarias da Prefeitura.

  "A Audiência Pública tem essa função de jogar luz nas ações e necessidades da Prefeitura. Vamos organizar um calendário de apresentação dos secretários e diretores de departamento para que as demandas de cada pasta possam ser conhecidas por todas as instituições", observou a vereadora.

  Para Aziz Kalaf Filho, diretor da Unip, isso é fundamental para que cada vez menos trabalhos produzidos na universidade fiquem esquecidos nas bibliotecas. Mas o diretor pediu atenção para que não sejam esquecidos os temas trazidos pelos próprios alunos – que também vivem o dia a dia da cidade.

  "Muitas vezes, o aluno traz um tema que não vai resultar em uma grande pesquisa, mas que resolve um problema do município", ponderou. "As pequenas demandas também devem ter visibilidade e incentivo para serem solucionadas", concordou Alexandre Nicolas, da Anhanguera.

  Carbone, da Unesp, apontou que, com o canal aberto entre Administração e instituições, a tendência é cada vez mais os projetos – novos ou já realizados – pelos alunos serem conhecidos.

   "Hoje, temos um potencial sendo explorado em seu mínimo. Será possível explorar ao máximo", comemorou. Ele sugere que as universidades possam explicar, também em Audiência Pública, as áreas em que atuam e o que podem oferecer à cidade.

Incentivos

  Outro ponto debatido durante a reunião foi a divulgação do que é feito nas instituições de Ensino Superior.

  Chiara acredita que a realização de uma grande Jornada Científica, ao final de cada ano, é fundamental para dar visibilidade dos trabalhos voltados para a Gestão Pública Municipal e também estimular novas ações nessa área.

  Também foi sugerida a criação de uma Medalha da Ciência e Tecnologia na Casa de Leis, honraria que pode ser oferecida aos trabalhos de destaque dentro do município.

  José Marta Filho, diretor da Universidade Brasil, e o Prof. Dr. Sebastião Gandara Vieira, diretor da Fatec, também sugeriram outros incentivos aos alunos – como o pagamento de bolsas ou mesmo o passe livre para que os estudantes possam se deslocar para uma escola ou bairro que seja objeto de estudo da pesquisa.

  A vereadora Chiara explicou que a Câmara pode intermediar essas ações entre as instituições e o Prefeito.

Comissão

  A Comissão de Ciência e Tecnologia da Câmara de Bauru é formada pelos vereadores Chiara Ranieri Basseto (DEM) – presidente da Comissão –, Fábio Manfrinato (PP) e Dra. Telma Gobbi (SD).

 

THIAGO ROQUE

Assessor Parlamentar - Vereadora Chiara Ranieri