Água catalisa debates e Câmara adia votação do projeto de multas por desperdício

- Repórter Fotográfico

03/11/2014 - A Câmara Municipal decidiu sobrestar por três sessões ordinárias a votação do projeto de Lei 95/14, de autoria do Prefeito Municipal, que dispõe sobre o controle do desperdício de água potável distribuída para uso. Há entre os vereadores consenso de que a matéria deva e vai ser aprovada, mas algumas sugestões foram feitas para que a matéria seja melhorada.

O vereador Renato Purini sugeriu que o projeto contemple também um artigo que ofereça um bônus, durante este período de escassez, para os consumidores que reduzirem o consumo de água.  O vereador Arildo de Lima Júnior pontuou que esta medida “uma política temporal, valeria para uma situação emergencial”.

O vereador Francisco Carlos de Goes também entende que o projeto possa ser melhorado, mas defende que a discussão do problema da falta de abastecimento de água deva ser ampliada, e sugeriu a convocação de uma audiência pública.  Fernando Mantovani assinalou que a postura do governo municipal é reativa, quando deve ser proativo. Sendo o prefeito um ambientalista, que ele tivesse capacidade de antever, mas o que fica para história é uma incapacidade de resolver este problema”.

Durante o período do rol de oradores inscritos, o vereador e presidente da Câmara Sandro Bussola defendeu que o prefeito declare situação de emergência, para que o Município possa agir com maior rapidez na contratação de uma empresa que possa fazer a dragagem da represa da estação de captação de água. Paulo Eduardo de Souza, contrário ao sobrestamento, disse que o problema maior é a falta de planejamento e disse que não há uma política específica para isto. Pontuou que a Câmara deve participar das discussões. Ele atribuiu a maior responsabilidade pela situação que o Municipio atravessa, ao Departamento de Água e Esgoto.

Todos os outros processos que estavam em primeira e segunda discussão, inclusive o projeto 83/14, que dispõe sobre o Serviço de Transporte Individual – Táxi Acessível, destinado ao transporte de pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida, foram aprovados por unanimidade.


Adão Nereu

Assessoria de Imprensa