Reunião Pública: classe artística bauruense cobra solução do Executivo

- Assessoria de Imprensa

Secretaria de Cultura e lideranças da cultura do município participaram do encontro no plenário da Casa de Leis

Nesta quarta-feira (25/8), os membros da Comissão de Cultura, Esporte, Lazer e Turismo da Câmara Municipal de Bauru se reuniram para discutir diversos assuntos da pasta da Cultura do município. Entre eles, o Edital n.º 369/2021 - Chamamento Público n.º 08/2021 - projeto “Culturas remotas”; as diretrizes da Lei Orçamentária de 2022 (LDO 2022); a elaboração do Plano Plurianual (PPA) para os anos de 2022 a 2025 e a prestação contas sobre os exercícios fiscais, orçamentários e financeiros de 2021 da Secretaria Municipal de Cultura.

A iniciativa do encontro foi do movimento "Silêncio, a Cultura dorme" da classe artística de Bauru, e foi viabilizado no Legislativo por meio da vereadora Estela Almagro (PT).

A reunião foi conduzida pelo vereador Junior Rodrigues (PSD), presidente da Comissão de Cultura, Esporte, Lazer e Turismo da Câmara Municipal de Bauru, que presidiu a reunião ao lado da vereadora Estela Almagro, juntamente com os membros do colegiado, José Roberto Segalla (DEM) e Mané Losila (MDB). Também participaram do encontro os vereadores Júlio César (PP), Pastor Edson Miguel (Republicanos) e Junior Lokadora (PP).

Além dos membros, estiveram no plenário “Benedito Moreira Pinto” a secretária de Cultura, Tatiana Sá, e os diretores da pasta, Caroline da Silva, Luiz Ornelas e Olga Coito e Araujo. O setor artístico foi representado pelo produtor cultural e membro da Sociedade Amigos da Cultura (SAC), José Augusto Vinagre, e pelos representantes do Conselho Municipal de Política Cultural, Paulo Maia, Rachel Pinke e Catia Machado. O presidente da Liga das Escolas de Samba e Blocos (Liesb) Bauru, Allison Carlos, também participou do encontro.

Os secretários municipais de Negócios Jurídicos e Economia e Finanças foram convidados para a reunião, mas não compareceram e justificaram a ausência via ofício. Convidada, a prefeita Suéllen Rosim (Patriota) também não compareceu.

A audiência contou ainda com a participação, por videoconferência, do agente cultural da Secretaria Municipal de Cultura, Ricardo Polettini; do representante do Conselho Municipal de Política Cultural, Leonardo Alípio de Miranda Benini; do jornalista João Correia Filho; da representante da classe artística, Fulvia Negri Goulart Garcia, além de representantes de entidades e membros da sociedade civil.

Alisson Talon Carlos, presidente da Liga de Escolas de Samba e Blocos Carnavalescos de Bauru, considera o orçamento da cultura pequeno demais e lembrou que a arte é um dos instrumentos que nos ajudaram a enfrentar a pandemia. Além disso, Alisson destacou que “quando se tem cultura, educação e esporte, a gente diminui nossos problemas sociais” e que tais projetos têm custos.

Para Estela Almagro, o planejamento atual da cultura não é suficiente para a classe artística do município.

Tatiana Sá explicou que o valor de cerca de R$ 14 milhões, que a pasta tem como orçamento para 2022, é pequeno quando se tem uma agenda grande, manutenção e também folha de pagamento. A secretária argumentou que os editais oferecidos foram adaptados ao orçamento e às condições atuais, com conteúdos e eventos baseados nos editais passados. Além disso, pontuou que foram considerados os pedidos feitos pela classe artística em Audiência Pública realizada em maio deste ano. Tatiana informou ainda que o valor atual é de R$ 600 mil, com a pretensão de oferecer a estrutura de palco, suporte técnico e a filmagem.

Questionada sobre a alocação da Orquestra Sinfônica Municipal, Tatiana Sá informou que a pasta está buscando prédios municipais, estaduais e federais que possam receber a orquestra sem o custo da locação. E, enquanto não houver um novo local, o contrato atual será estendido.

O PPA prevê R$ 30 mil por ano para a manutenção dos instrumentos da Orquestra da Banda Sinfônica e também da Cia de Dança Municipal.

PPA

Tatiana Sá apresentou o Plano Plurianual (2022-2025) em Audiência Pública na última semana. Os planos para a gestão da pasta para o próximo quadriênio contam com um orçamento previsto de R$ 64.657.668,00. Dentre os objetivos, estão comunicação e parcerias entre a secretaria e toda a Prefeitura, implementação de fluxo de gestão de projetos e o incentivo à formação continuada dos servidores.

Dentre as ações externas, estão previstos para o plano de Cultura: manutenção, preservação e gestão do patrimônio histórico, como o Museu Ferroviário, o Museu Histórico, o Museu da Imagem e do Som, a Pinacoteca e a Galeria, com ações que vão desde estrutura predial e tecnológica à produção artística.

É previsto ainda fomento e disposição de equipamentos para a Banda e Orquestra Sinfônica Municipal, Cia. Estável de Dança e também manutenção dos projetos Pontinhos de Cultura e João de Barro.

Também consta no plano de ações para os próximos quatro anos, o fomento à classe artística com abertura de editais para atividades culturais e apoio a eventos.

Encaminhamento

A classe artística cobrou diálogo, gestão e aplicação dos recursos na área da cultura.

Para melhorar o diálogo, uma nova reunião será agendada com os artistas e, novamente, serão convocadas para o encontro as secretarias de Negócios Jurídicos e Economia e Finanças do município.