Fábio Manfrinato pede instalação de CRAS em prédio de antiga delegacia da Vila Falcão

28/11/2018 - Cedido ao município, o imóvel se encontra abandonado e serve como abrigo para usuários de drogas

Manfrinato criticou burocracia entre município e governo do estado

  O vereador Fábio Manfrinato (PP) cobrou que município e governo do estado tomem as providências necessárias para dar fim ao abandono do prédio onde, até 2013, funcionava o 1º Distrito Policial, na Vila Falcão. A sugestão é de que, no local, seja instalado um Centro de Referência de Assistência Social (CRAS).

  Alvo de vandalismo, o prédio serve atualmente como abrigo para usuários de drogas. Além disso, em seu entorno, ocorrências de assalto são frequentes.

  O parlamentar criticou a burocracia que impede a viabilização do CRAS, projeto também pretendido pela Secretaria Municipal do Bem-Estar Social (Sebes).

  Isso porque o prédio, do governo do estado, foi cedido à Prefeitura ainda na gestão anterior, visando a instalação do Núcleo de Atendimento Integrado (NAI), órgão voltado ao atendimento de jovens infratores.

  Em entrevista à TV Câmara, o secretário José Carlos Fernandes, da Sebes, disse, porém, que a implantação desse serviço se mostrou inviável, surgindo, então, a proposta da instalação de um CRAS para assistir toda a região da Vila Falcão.

  Para ser concretizado, o projeto, no entanto, depende de reedição do documento que cedeu o imóvel ao município.

  Na Tribuna da Câmara Municipal de Bauru, durante a Sessão Legislativa da última segunda-feira (26/11), Fábio Manfrinato cobrou que, enquanto a pendência não se resolve, a Prefeitura, ao menos, mantenha o prédio limpo.

  O vereador frisou que as intervenções devem ser executadas com urgência para evitar a deterioração da estrutural do imóvel.

CRAS

  Os CRASs são unidades instaladas em regiões de vulnerabilidade socioeconômica para fomentar ações de assistência social a famílias. Nesses locais, são promovidas atividades que visam garantir proteção social básica à população e prevenir situações de risco à comunidade.

Assista à íntegra do pronunciamento

 

ASSESSORIA DE IMPRENSA