Câmara de Bauru entrega Prêmio 'Zumbi dos Palmares' 2021

- Assessoria de Imprensa

Mário Henrique de Luz do Prado (in memoriam), Diogo Alves e a Casa do Hip Hop foram os homenageados deste ano

Em Sessão Solene, na noite da última terça-feira (14/12), a Câmara de Bauru homenageou três contemplados pelo Prêmio ‘Zumbi dos Palmares’ 2021, em cumprimento à Resolução n.º 520, de 17 de setembro de 2013.

Os três Decretos Legislativos, de autoria da Mesa da Câmara, que concedem o Prêmio ‘Zumbi dos Palmares’ a Mário Henrique de Luz do Prado (Processo n.º 263/21), a Diogo Alves (Processo n.º 264/21) e à Casa do Hip Hop (Processo n.º 265/21), foram aprovados pelo plenário da Casa de Leis por unanimidade, na 43ª Sessão Ordinária do dia 22 de novembro.

Presidida pelo presidente da Câmara de Bauru, vereador Markinho Souza (PSDB), e secretariada pelo vereador Julio Cesar (PP), a sessão contou com a participação da secretária de Cultura, Tatiana Sá, representando a prefeita Suéllen Rosim (Patriota); a presidente Conselho Municipal da Comunidade Negra, Sebastiana de Fátima Gomes; representando a vereadora Estela Almagro (PT), Ricardo Santana, assessor do deputado Federal Carlos Zarattini (PT); representando a Central Única dos Trabalhadores (CUT), Suzi da Silva; representantes do Conselho Municipal da Comunidade Negra, Suzana Maria Pedra Andrade, Joelma Maria de Moura Rodrigues, Alex Pablo Muro Lopes e Jamile da Silva Ribeiro Gonçalves, e os representantes do Centro Cultural Acesso Popular, Carlos Eduardo Francisco Gomes e Jorge Moura.

Dayane Guimarães, viúva do homenageado Mário Henrique de Luz do Prado, recebeu o Prêmio, juntamente com Renato Magu, representando a Casa do Hip Hop, e Diogo Alves, professor e ativista pela cultura afro-brasileira.

Discursos

Ao receber o prêmio em nome de Mário Henrique de Luz do Prado, Dayane Guimarães agradeceu ao Conselho da Comunidade Negra de Bauru e exaltou a memória de seu falecido esposo tomada de emoção. “O Mário se dedicou muito por todos nós, por todos os direitos sociais e por um país livre do racismo. Infelizmente ele não está aqui para receber esse prêmio. Sua partida tão dolorida e prematura foi uma das surpresas mais imprevisíveis do destino, que nos tira o chão todos os dias. Mas hoje, quase 7 meses depois, fico feliz em perceber o quanto ele marcou a vida das pessoas”.

Em seguida, o vereador Julio Cesar (PP) fez uso da tribuna para destacar a importância do prêmio, que visa honrar e reconhecer o trabalho de pessoas e instituições que trabalham no combate ao racismo na cidade de Bauru. O parlamentar relatou sua experiência enquanto vereador negro e agradeceu o trabalho realizado pelos homenageados. “Eu tenho três filhos (...) e eu peço todos os dias para que meus filhos encontrem pessoas iguais a vocês, pra construir algo dentro deles que seja imbatível”.

Renato Magu também agradeceu ao Conselho da Comunidade Negra e à Câmara Municipal e destacou a presença de outros membros da Casa do Hip-Hop, aplaudidos pelos presentes na solenidade. Emocionado ao lembrar da trajetória de Mário Henrique de Luz do Prado e trazendo à memória o ex-vereador Roque Ferreira, Renato falou sobre as ações realizadas pela Casa, que dentre suas iniciativas, oferece cursos educacionais e pré-vestibulares gratuitos para mais 800 alunos por ano. “Todos aqueles que parte da sociedade bauruense esconde ou finge que não vê eram e sempre serão bem-vindos em todos os nossos espaços(...). Colocando dezenas de jovens nas universidades, pintamos essas instituições de preto, pintamos a faculdade de povo”.

Por fim, Diogo Alves fez uso da palavra agradecendo o prêmio como símbolo da relevância da luta contra a intolerância religiosa e pelo respeito às religiões de matriz africana e à cultura afro. Diogo relatou os trabalhos desenvolvidos na cidade, entre eles, uma iniciativa educativa com Afrojazz, e destacou a presença de sua comunidade religiosa e seus alunos na solenidade. “Ser preto e ser macumbeiro nesse país custa caro, custa a vida. (...). Está sendo um ano de muitas vitórias pra gente, uma batalha que travamos há oito, nove anos atrás, que estamos colhendo os frutos hoje. (...) Toda honra e glória a Exu”, finalizou.

A presidenta do Conselho Municipal da Comunidade Negra, Sebastiana de Fátima Gomes, também deixou suas palavras, relatando a importância de eventos como o prêmio para a manutenção da memória ancestral afrobrasileira, em figuras como a de Zumbi dos Palmares. “Me falaram muitos erros. Falaram que eu sou descendente de escravos, mas eu não sou descendente de escravos. Eu sou descendente de heróis, que eram livres, que tinham uma cultura, e que foram sequestrados de uma forma violenta e trazidos para servir esse país durante 354 anos”, relatou Sebastiana, agradecendo o trabalho desenvolvido por alguns de seus colegas presentes no âmbito educacional da cidade.

Encerrando as falas, Tatiana Sá, secretária de Cultura, endossou as homenagens ao trabalho de cada um dos reconhecidos pelo Prêmio Zumbi dos Palmares e do Conselho Municipal da Comunidade Negra. A secretária também referenciou a fala do vereador Julio Cesar, compartilhando sua experiência enquanto mulher negra à frente de um âmbito da gestão municipal. “Eles vão precisar entender que existe uma secretária de Cultura negra, sim. Que existem homenageados sentados numa Câmara, sim. E que nós podemos sim podemos estar em todos os lugares que quisermos estar, com dignidade. Que a gente pode”, encerrou Tatiana.

Apresentação

Ao final, Diogo Alves e Joelma Moura apresentaram um toque/canto para Xoroquê no Plenário “Benedito Moreira Pinto”. Finalizando a solenidade, Joelma fez o último agradecimento. “Hoje, uma terça-feira, dia de Ogum, dentro da nossa tradição de matriz africana. É o dia do senhor dos exércitos, é o dia do senhor da guerra, é o dia do senhor das batalhas e do senhor das vitórias. Todos esses homens que foram representados hoje aqui com o Prêmio 'Zumbi dos Palmares' estão representando a nossa ancestralidade de Ogum, que é o que nos dá força para continuar”.

Prêmio

Criado em 2013, o Prêmio ‘Zumbi dos Palmares’ reconhece, anualmente, cidadãos ou instituições que se dedicam à luta contra o racismo e outras intolerâncias. O Prêmio foi criado como parte das atividades que compõem a Semana da Consciência Negra, celebrada em novembro, e os homenageados são indicados pelo Conselho Municipal da Comunidade Negra de Bauru.